fbpx

“Um poema é o mundo sendo refeito”

17 de dezembro de 2020

Por Marina Vidal (*)

O Sempre Um Papo recebeu o escritor Eucanaã Ferraz para uma conversa sobre o tema “Poesia, Clarice e Outras Literaturas” e sobre o seu mais recente livro, “Retratos Com Erro” (Companhia das Letras). Esta foi mais uma edição do projeto que está acontecendo de forma virtual, devido à pandemia do Covid-19. A conversa foi mediada pelo jornalista Afonso Borges, no dia 16 de dezembro de 2020, sendo transmitida pelo Youtube, Facebook e Instagram do Sempre Um Papo.

O encontro foi motivado pelo lançamento do site sobre a obra de Clarice Lispector pelo Instituto Moreira Salles (IMS), coordenado por Eucanaã Ferraz e que foi ao ar em virtude da comemoração dos 100 anos do nascimento da autora. “O site da Clarice já existia há alguns anos, sempre foi o site mais visitado do IMS e que o visitante permanece mais tempo. Mas resolvemos para o centenário fazer um site novo, que é muito ambicioso porque proporciona uma navegação livre, fluída, puramente de mergulho. Acho que quando você entra tem uma experiência muito emocionante, é muito bonito”, disse.

Além do site em homenagem à autora, está prevista para julho de 2021 uma exposição intitulada “Constelação Clarice” que será diferente da maioria das exposições de escritores que, geralmente, são estritamente ligadas à sua biografia. A ideia é que seja uma mostra de artistas mulheres e contemporâneas à escritora, como explicou Eucanaã. “É uma exposição que parte da Clarice para pensarmos a obra de artistas visuais que trabalharam contemporaneamente a ela. Ou seja, será uma grande exposição de artistas que produziram pinturas, gravuras, fotografias, vídeos, cultura, paralelamente à Clarice”.

Eucanaã informou que a decisão por essa abordagem se deu em razão de haver uma conexão entre certas perguntas feitas por essas artistas e as perguntas feitas pela Clarice. “As questões da Clarice muitas vezes pareceram com as dessas criadoras, quando você vai aproximando, vai criando aquilo que chamamos de Constelação Clarice”. Então, em torno da escritora e dos seus temas a equipe está reunindo obras de artistas mulheres que possuem certos pontos de contato com ela. “Ao mesmo tempo, há um momento da exposição onde reuniremos os manuscritos da Clarice, as fotos dela, objetos pessoais, jornais e revistas onde ela escreveu e uma parte da sua biblioteca”, adiantou.

Clarice Lispector se aproximava em suas obras de uma espécie de mística e, conforme Eucanaã, ela é uma interrogação. “O mundo da Clarice é encantado, no sentido de que não há nada que não seja excepcional. Então, ela dizia que, mesmo o mundo natural, já é muito sobrenatural, que qualquer existência é uma coisa dotada de mistério, porque a vida é um mistério. O texto dela é cheio de perguntas e ela chega dizer: ‘eu sou uma pergunta’. Talvez o mais flagrante na escrita da Clarice é essa questão, como ela é uma pergunta, ela vai realmente inquirir as coisas do mundo”.

Segundo Eucanaã, de maneira geral, quem escreve poesia tem uma ligação muito séria com ela, mas costuma ter uma descrença em relação a sua importância. “Faz parte de um certo mundo da poesia recusar seu papel, não só na vida de quem a escreve, mas a sua presença no mundo. Isso porque os poetas desconfiam muito da poesia já que dedicam a sua vida a ela e parece que essa não serve para nada”.

O escritor acredita que a poesia não é uma utilidade imediata. “Ela devolve a nós a nossa dignidade porque é a linguagem levada ao seu ponto maior, mais alto, mais experimental. O poema diz aquilo que nunca foi dito. Então, é como se cada poema inaugurasse a humanidade, um poema é o mundo sendo refeito”.

Eucanaã Ferraz ainda explicou que existe um estado poético que é muito efêmero e o poeta precisa ter uma espécie de atenção. “A Sophia de Mello Breyner dizia que ‘para escrever era preciso estar atento’. Por isso, ela ficava em um canto em silêncio, atenta para ouvir o poema. O Drummond dizia que ‘a imagem poética penetra surdamente no universo das palavras’, lá estão os poemas esperando para serem escritos. Então, entrar nesse mundo é uma atenção e você entra surdamente porque você entra para ouvir esse tal poema”.

O diálogo também contou com a participação especial do músico Celso Adolfo. Essa conversa na íntegra pode ser assistida nas redes sociais do projeto, Instagram e Facebook e no canal do Sempre um Papo no Youtube, por meio do link: https://www.youtube.com/watch?v=_R4d27Aw4b0

Para saber mais sobre Clarice Lispector acesse o site por meio do link: https://claricelispector.ims.com.br/.

(*) – Estagiária sob supervisão de Jozane Faleiro

[fbcomments]