fbpx

#SempreUmPapoEmCasa recebe o angolano Pepetela

14 de dezembro de 2020

Afonso Borges recebe ao escritor angolano Pepetela para encerramento das atividades do projeto Sempre Um Papo em 2020. No encontro, uma conversa sobre o premiado romance “Sua Excelência, de corpo presente” (Editora Kapulana). Essa será mais uma edição virtual do “Sempre um Papo” com transmissão ao vivo no Youtube, Instagram e Facebook do Projeto. O encontro vai acontecer no dia 17 de dezembro, quinta-feira, às 18h.

O evento integra as atividades do #SempreUmPapoEmCasa, sequência de eventos patrocinados pela Cemig, Itaú e Mater Dei, com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério do Turismo.

No romance “Sua Excelência, de corpo presente”, o protagonista, narrador da história, é um ditador africano morto, deitado em seu caixão. Durante seu próprio velório, ele vê, ouve e observa os que estão ali para se despedir dele. Passa, então a recordar as histórias vividas com os presentes – familiares, amigos, auxiliares, membros de governos dentre outros. Com suas memórias, a personagem revela a estrutura do poder político, o nepotismo, os abusos, as estratégias e ações de um regime ditatorial. Mesmo morto, o ditador não deixa de tentar controlar a sua sucessão através do seu espião-de-um-olho-só, que lhe é tão fiel na morte como era em vida. A obra surpreende por sua atualidade e universalidade. Pepetela demonstra, como sempre, estar atento às situações de injustiça, opressão e abuso de poder que poderiam ter ocorrido em qualquer região do mundo em qualquer época. Por meio da ficção, com uma linguagem literária mordaz e, muitas vezes, irônica, Pepetela conduz o leitor ao submundo do poder opressivo. O livro foi o vencedor do Prémio Literário Casino da Póvoa do Correntes d’Escritas 2020 e finalista do Prêmio Oceanos 2019. É o terceiro livro de Pepetela que a editora Kapulana publica no Brasil. Em 2019 publicou O cão e os caluandas e O quase fim do mundo.

Sua Excelência, de corpo presente

Em Sua Excelência, de corpo presente, romance do angolano PEPETELA, o protagonista é um ditador africano já morto. Pepetela, a partir das reflexões que o defunto faz em seu próprio velório, nos apresenta um quadro político e social de um país africano. A obra surpreende por sua atualidade e universalidade.

Estou morto.

Estou morto, de olhos cerrados, mas percebo tudo (ou quase) do que acontece à minha volta. Sei, estou deitado dentro de um caixão, num salão cheio de flores, as quais, em vida, me fariam espirrar. As pessoas não sabem que flores de velório cheiram mal? Sabem, mas a tradição é mais forte e velório sem flores é para pobre. 

Ora, não somos pobres, dominamos uma nação. 

Estou morto, no entanto posso escutar, entender os dizeres, mesmo os sussurros e, em alguns casos, adivinhar pensamentos.

Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, PEPETELA, nasceu em Benguela, Angola, em 1941, onde fez o Ensino Secundário. Em 1958 foi estudar em Portugal e por razões políticas, em 1962 partiu para a França. Trabalhou na representação do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e no Centro de Estudos Angolanos, que ajudou a criar. Participou como guerrilheiro na luta de libertação de Angola e, depois da independência do país, foi vice-ministro e professor universitário em Angola. Publicou muitos livros, sendo o primeiro As aventuras de Ngunga, de 1973. Recebeu muitos prêmios por suas obras e por sua atuação na cultura e na política. O livro Sua Excelência, de corpo presente foi vencedor do Prémio Literário Casino da Póvoa do Correntes d’Escritas 2020, e finalista do Prêmio Oceanos 2019.

#SempreUmPapoEmCasa com Pepetela

Dia 17 de dezembro, quinta-feira, às 18h, no canais web do Sempre Um Papo: Youtube, no Facebook e Instagram

Informações: www.sempreumpapo.com.br

Informações para a imprensa:

Jozane Faleiro – jozane@sempreumpappo.com.br / 31 992046367

[fbcomments]