fbpx

Papo com Bial

2 de dezembro de 2020

Por Marina Vidal (*)

O Sempre Um Papo recebeu o jornalista Pedro Bial para o debate e lançamento do livro “Conversa com Bial em casa” (Cobogó). Esta foi mais uma edição do projeto que está acontecendo de forma virtual, devido à pandemia do Covid-19. A conversa foi mediada pelo jornalista Afonso Borges, no dia 1 de dezembro de 2020, sendo transmitida pelo Youtube, Facebook e Instagram do Sempre Um Papo.

Pedro Bial está quase completando quarenta anos de trabalho na TV Globo e falou sobre a intuição jornalística. “O termômetro de jornalista é porque lemos muito, conversamos com os amigos, acompanhamos as redes sociais. Depois de um certo tempo de profissão você pega um faro. Eu até falo disso no texto de abertura desse livro”. Em “Conversa com Bial em casa”, Bial diz que ao chegarem as primeiras notícias de Wuhan, cidade chinesa primogênita a registrar o coronavírus, ele começou a ler os jornais chineses e acompanhar cada etapa. “Percebi aquele faro de repórter que sente a ‘merda’ onde ninguém ainda percebeu. Acreditava que a coisa iria ser maior, fui um dos primeiros a andar com álcool em gel e o pessoal me sacaneava na redação”.

Contudo, Bial explicou que essa intuição não é algo repentino, mas uma habilidade que o jornalista desenvolve com experiência. “Acho que a gente é treinado para perceber para onde o vento sopra. Intuição não é uma coisa que caí do céu, é disciplina, com trabalho você vai ganhando”.

O jornalista ainda afirmou que seu livro é uma exceção que confirma a regra. “Não acredito que programa de televisão transcrito para o papel funcione, a televisão é um evento de forma, movimento, imagem, conteúdo e não tem a função de embrulhar o peixe do dia seguinte como o jornal. A televisão foi ao ar, pronto, acabou”. Entretanto, após aprofundar a discussão dos 70 anos da televisão brasileira, Bial percebeu uma mudança de tendências e direcionamento. “Acho que essa própria maneira de se encontrar, mediada eletronicamente, a voltagem emocional aumenta”.

A pandemia também contribuiu para a alteração de muitas ideias não só na televisão, como no mundo. “Na segunda ou terceira conversa que está nesse livro, juntam-se o meu irmão liberal Armínio Fraga e a Laura Carvalho, que de liberal é uma das pessoas que não pode ser chamada, apesar de ter uma mente bastante aberta. Mas quando pensa de juntar em 2019 Armínio Fraga e Laura Carvalho para conversarem, você estaria esperando muito mais diferenças do que concordâncias. Em 2020, com a pandemia e o assunto desigualdades na mesa, os dois só encontraram território comum, só concordâncias e complementariedades de análises e interpretações e estratégias para a solução”. Para o autor, isso só aconteceu devido ao trauma coletivo que foi a pandemia.

Esse período de reclusão permitiu a Bial curtir mais a família e ele teve um ano profissional bacana, que está refletido nesse livro, o qual é uma reunião de várias entrevistas do seu programa Conversa com Bial. “Quase sempre é bom conhecer o entrevistado e já ter uma empatia, mas em algumas instâncias eu luto contra isso porque senão fica um papo muito de comadre e eu quero incluir o espectador. Ao mesmo tempo, isso na medida certa dá um prazer para o espectador como se estivesse vendo pelo buraco da fechadura”.

Dentre os convidados que participaram do programa estão Glória Maria, Xuxa, Paulo Gustavo, Gilberto Gil, Betty Faria, Lima Duarte, entre outros. “Algumas que tiveram bastante repercussão, foi a do William Bonner, entrevista muito emocionante, ele falando da pessoa que é a cara da instituição e o preço que se paga por isso. Outra que teve uma repercussão grande foi a do Caetano Veloso, lançando o filme realizado por dois integrantes da equipe do programa. Nós passamos para o Caetano, durante a conversa, uma cena do filme e ele discordou dele mesmo, de uma entrevista que tinha sido feita a menos de dois anos”, afirmou o autor.

Bial também entrevistou o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama, mas a entrevista não está presente no livro, pois ela aconteceu depois que ele estava pronto. Provocado por Afonso Borges, Pedro Bial já está pensando em fazer uma coleção para incluir a entrevista de Obama e outras.

Essa conversa na íntegra pode ser assistida nas redes sociais do projeto, Instagram e Facebook e no canal do Sempre um Papo no Youtube, por meio do link: https://www.youtube.com/watch?v=_aLFc7jr8Ow

(*) – Estagiária sob supervisão de Jozane Faleiro

[fbcomments]