fbpx

O Sentimento da Literatura

15 de junho de 2021

Por Marina Vidal (*)

Por iniciativa do Instituto Cultural Vale, o Sempre Um Papo Itabira recebeu um dos casais mais admirados do Brasil, Malu Mader e Tony Bellotto, para falar sobre o tema “Literatura e Arte – O Amor aos Livros”, no dia 14 de maio de 2021. O terceiro encontro do projeto foi mediado por Afonso Borges, idealizador do Sempre Um Papo, que estava ao vivo, em transmissão gerada da Casa do Brás, na cidade de Itabira. A edição do projeto contou com intérprete de Libras e aconteceu de forma virtual, devido à pandemia do Covid-19, com acesso gratuito e transmissão no Youtube, Instagram e Facebook do Sempre Um Papo.

Para iniciar sua fala, Tony recitou o poema ‘Memória’ de Carlos Drummond de Andrade, inspirado em Afonso Borges que estava na casa onde Drummond viveu em Itabira: “‘Amar o perdido deixa confundido este coração. Nada pode o olvido contra o sem sentido apelo do Não. As coisas tangíveis tornam-se insensíveis à palma da mão. Mas as coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão’. Eu preciso falar isso porque Carlos Drummond está presente aqui com a gente”

Malu Mader informou que no início da pandemia o casal retomou à leitura de Drummond devido, principalmente a poesia “O Sentimento do Mundo”, presente em um livro que foi escrito praticamente no pós-guerra que correlaciona muito com o momento pelo qual estamos enfrentando. “A gente entrou muito em contato com o Drummond e ficamos muito apaixonados com a obra dele. No dia dos namorados, ficamos lendo poesias juntos, já que ele tem muitas poesias lindas de amor e acabei lendo com meus filhos também. A gente ficou particularmente apaixonado por essa poesia dele ‘O Sentimento Do Mundo’, que é um livro dele que ele escreveu exatamente em um período muito abatido pela guerra”.

A atriz deve muito do que conquistou à literatura, afinal o chão do ator é a literatura. “Certamente sou atriz por causa dos livros que li, das histórias que me impressionavam, da vontade de levar essas histórias para as outras pessoas, de me projetar nos personagens e de entrar em outro universo. Além de ter uma vida ligada ao mundo da imaginação e da invenção de um universo que não existe e passa a existir”. Malu tem como referências e inspirações em sua carreira Maria Clara Machado, porque seu pai a levava muito ao teatro, e Jorge Amado. “A dramaturgia sempre esteve muito presente nesse mundo da literatura desde o começo. De alguma forma conheci o Brasil por causa do Jorge Amado e da Maria Clara Machado e estreei no tablado com uma adaptação do Monteiro Lobato”.

Dentre os dez romances que Tony escreveu, “Dom” foi o primeiro que trabalhou com história real. É baseado no caso do Pedro Dom, um assaltante de residências do Rio de Janeiro, muito conhecido no princípio dos anos 2000 e filho de Vitor, um policial. “Vitor queria que eu contasse essa história porque precisava ser contada. É uma tragédia clássica, o pai vai lutando para salvar o filho de um destino que é inexorável e não consegue”, disse Bellotto.

“Dom” é o livro de Tony que Malu mais gosta. “É um livro muito forte, muito pesado. Toda pessoa que tem filhos quando lê fica muito tocado, se sentindo muito ligado aquela emoção do pai que tenta impedir que o filho vá para o mau caminho”. O livro foi inspiração para a série “Dom” dirigida por Breno Silveira com oito episódios disponível na Amozon Prime Vídeo. “Estou impressionada com a série, com o nível de produção e o elenco maravilhoso”, afirmou Mader.

Tony Bellotto sempre foi um leitor voraz, mas só foi exercer a arte da escrita tardiamente. “A figura do escritor me inspirava e intrigava tanto quando a do guitarrista, foram desejos de expressão artística que chegaram juntos. Durante o período que a Malu estava grávida decidi escrever, o que ocasionou no meu primeiro romance ‘Bellini E A Esfinge’ e ela sempre me ajudou de todas as maneiras possíveis”. Malu Mader foi a primeira pessoa a dar um computador para o autor escrever. “Desde então, é a minha primeira leitora, e ela tem um talento muito grande para ser uma editora, devido a essa vivência dela da dramaturgia”.

Gilberto Braga, grande roteirista brasileiro, Nelson Rodrigues e Clarice Lispector são grandes inspirações para Malu. “Desde pequena eu tenho uma atenção muito voltada para roteiro. Ao atuar, gostava de editar os roteiros, com respeito a obra dos diretores. Um dos caras que eu mais li foi o Nelson Rodrigues. Assim como a Clarice Lispector, que não fiz nada dela, mas acho que um dia vou fazer do tanto que amo”.

Acompanhe o encontro na íntegra pelas redes sociais do projeto, no Instagram e Facebook e no canal do Sempre um Papo no Youtube, com acesso pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=MXEjRDKvuWs

FRASES:

“No começo da pandemia eu acho que todo mundo ficou com uma tristeza diferente que não é só nossa, é de todo mundo e acaba tomando conta mesmo”. – Malu Mader.

“No meu caso foi necessário uma certa maturidade para escrever”. – Tony Bellotto.

“Mesmo escrevendo, Tony foi muito presente na vida dos filhos”. – Malu Mader.

“A primeira vez que eu entrei em contato com o mundo dos escritores foi com o Jorge Andrade”. – Malu Mader

“Eu tenho simpatia pelo mundo dos escritores”. – Malu Mader

“Livro, bula de remédio, caixa de sucrilhos, o que me caia pela frente eu gostava de ler e sempre tive uma curiosidade por quem escrevia as histórias”. – Tony Bellotto

“Eu sempre fui um escritor muito romântico”. – Tony Bellotto

“Eu acho o ‘Dom’, realmente o melhor livro do Tony e disse isso para ele a primeira vez que li”. – Malu Mader

“Acho que os teledramaturgos são um pouco subestimados. A gente sempre fala ade romancistas, dramaturgos, poetas e a gente não cita, em geral, os teledramaturgos, eles têm uma obra muito importante no Brasil”.  – Tony Bellotto

“É muito difícil fazer diálogo em livro porque ele não é feito para ser falado, mas lido”. – Tony Bellotto.

(*) – Estagiária sob supervisão de Jozane Faleiro

[fbcomments]