fbpx

A cultura em tempos de crise

20 de julho de 2021

Por Laura Rossetti (*)

O convidado para o #SempreUmPapoEmCasa de segunda-feira, 19 de julho, às 19h, foi Afonso Cruz, um dos mais importantes escritores portugueses da atualidade. A conversa com o jornalista Afonso Borges, idealizador e criador do projeto, girou em torno dos livros “A Boneca De Kokoschka”, “Nem Todas As Baleias Voam” e “Vamos Comprar Um Poeta”, todos editados pela Dublinense. A transmissão do bate-papo aconteceu ao vivo através das redes sociais do Sempre Um Papo, que comemora 35 anos de realização em 2021.

Afonso Cruz conta que não planejou se tornar autor de livros. “Comecei a publicar em 2008, já tinha 37 anos, e nunca pensei em ser um escritor. As minhas ambições quando criança e jovem, eram, talvez, ser autor de quadrinhos (…) Sempre tive uma relação muito forte com o design, estudei belas artes e, a determinada altura, comecei a trabalhar também com desenhos animados, com cinema de animação. A literatura apareceu por acaso”, conta Afonso, que, além de autor é também ilustrador e músico em uma banda de blues chamada The Soaked Lamb.

O livro “Vamos Comprar Um Poeta” conta a história de uma menina que pede ao pai um poeta que acaba por transformar – nos afetos, nas relações e na compreensão do mundo – a história da família dela. O autor afirma que a ideia distópica de se comprar um poeta (como se faz, por exemplo, com um animal de estimação, que se leva para casa e se alimenta) critica o desprezo com que a área da cultura é, frequentemente, tratada.

Afonso contextualiza que o livro foi publicado em um momento de crise financeira em Portugal, quando o Ministério da Cultura foi extinto. Para ele, o descaso com essa área é um “erro tremendo”, já que é a riqueza cultural de um país é o que convida as pessoas a visitá-lo. O autor completa que a cultura é o melhor instrumento para se superar as crises, porque “é através dela que temos criatividade, ideias e podemos criar novas empresas, produtos, e por aí afora. A indústria e a tecnologia acabam por funcionar, precisamente, com a inovação científica, da filosofia e das artes”, argumenta.

“Nem Todas As Baleias Voam”, por sua vez, é um livro que se passa durante a Guerra Fria e que tem como base do enredo um plano da central de inteligência americana CIA de obter vantagem nesse período, tentando cativar os jovens de outros países através da música. “O que acontece (na narrativa) é que há um autorreconhecimento do poder da cultura e da arte para mudar mentalidades”. O livro fala ainda sobre o abandono, a ausência e a relação entre pessoas que se amam, mas acabam não ficando juntas.

Por fim, “A Boneca De Kokoschka” baseia-se na excêntrica história real do pintor austríaco Oskar Kokoschka, que fantasiou um romance com uma boneca muito semelhante a uma mulher que ele amava e que o deixou. “Quando (os dois) terminaram, o Oskar Kokoschka não conseguia lidar com a separação, e o que ele decide fazer? Decide mandar construir uma boneca igual a sua amada. Ele viveu com essa boneca durante cerca de um ano, em que passeava com ela, importava vestidos de Paris para vesti-la e perfumes”, narra o autor.

Para encerrar a live, Afonso Cruz comentou sobre como ele está percebendo e sentindo os desafios surgidos no contexto da pandemia do coronavírus. Ele afirma ser este um período muito triste, porque decisões criminosas levaram à morte milhões de pessoas. “Por outro lado, também percebemos que há muitas coisas na nossa sociedade que podem mudar para melhor, precisamente através das novas plataformas (digitais) e das novas maneiras de nos comunicarmos. Nem tudo será mau. As tragédias sempre terão um lado menos mau, embora nunca positivo”, afirma o autor, destacando que é possível encontrar nos maiores desastres um motivo para seguir em frente.

Além dos três livros mencionados, Afonso Cruz é autor de mais de 20 obras, incluindo romances, não ficção, histórias infantis, ensaios e novelas. Confira a gravação completa da conversa, que contou com tradução simultânea em Libras, no YouTube e Instagram do Sempre Um Papo.

*Estagiária sob a supervisão da jornalista Jozane Faleiro

Frases

“Canto, como eu digo, simplesmente para estragar algumas músicas”. – Afonso Cruz

“Convém não esquecer que as coisas mais importantes da nossa vida continuam a ser a amizade, o amor, e por aí afora; e não propriamente ser milionário”. – Afonso Cruz

“A natureza não cria intolerância em relação a beleza. Nós todos os dias nos sentimos espantados e maravilhados com a fruição da paisagem”. – Afonso Cruz

“Uma das coisas mais importantes para mim é, precisamente, conhecer as valências de cada uma das artes para perceber exatamente quais são as vantagens e os limites delas”. – Afonso Cruz

[fbcomments]