Afonso Borges

Sempre um papo teve um encontro com o escritor Antonio Prata, para um bate papo com o público presente e  mediado por Afonso Borges. O  autor falou sobre seu livro "Trinta e Poucos" (Companhia das Letras), contou histórias de sua experiência como escritor e suas crônicas. O programa foi realizado no auditório do Sesc Bom Retiro, na cidade de São Paulo - SP - Brasil - dia 18/10/2016. Foto: Fabio Setimio

Afonso Borges é escritor, produtor cultural e empresário, nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 1962. É o responsável pela criação e curadoria do Festival Literário de Araxá – Fliaraxá – realizado, anualmente, desde 2012, no município mineiro. Desde 1986, dirige os trabalhos da AB Comunicação e Cultura, sendo o responsável pela criação, coordenação e desenvolvimento do “Sempre Um Papo. Trata-se de um dos projetos mais respeitados de incentivo ao hábito da leitura do Brasil, que promove a difusão do livro e seu autor. Já atuou em mais de trinta cidades de oito estados brasileiros, além de ter sido realizado durante um ano na Casa de América, em Madri, Espanha. Sob o comando de Afonso Borges, são mais de 6.000 eventos, com um público presente estimado em 1,7 milhão de pessoas. 

Afonso Borges faz colunas diárias de rádio há 11 anos, no programa “Mondolivro”, no ar pela Rádio Bandnews FM. É colunista do portal “O Globo”. Em 2012, foi curador da Bienal do Livro de Minas Gerais. Escreve em jornais desde os 16 anos e já trabalhou, alternando  funções de colaborador, repórter e editor, em diversos jornais e  revistas. Colaborou, como jornalista e pesquisador, nos livros “Chatô – O Rei do Brasil” (Companhia das Letras), de Fernando Morais,  “O Desatino da Rapaziada – Jornalistas e Escritores em Minas Gerais” (Companhia das Letras), de Humberto Werneck.

Afonso Borges possui cinco livros publicados: o infantil “O Menino, o Assovio e a Encruzilhada” (SESC Editora, 2016); “Retrato de Época” (poemas, 1980), “Bandeiras no Varal” (poema-plaquete, 1983), “Sinal de Contradição – Conversas com Frei Betto” (Ed. Espaço & Tempo, Rio de Janeiro, 1988), publicado também na Suíça (”Zeichen des Widespruchs”/Edition Exodus, Fribourg/1989) e na Argentina, e “Profecia das Minas” (poemas, 1993). Em junho de 2017 lançou seu primeiro livro de contos, “Olhos de Carvão”, publicado pela Editora Record.

Reconhecimentos

Em 1993, com 31 anos, recebeu da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e, meses depois, da Câmara Municipal de Belo Horizonte, a “Moção de Reconhecimento Público”. Em 1995, foi distinguido pela Municipalidade com  a “Comenda do Mérito Artístico Rômulo Paes”. Em 1997, ano do Centenário de Belo Horizonte, recebeu o título de “Filho Ilustre de BH – 100 Anos”, concedido somente a 100 personalidades, por parte da Fundação Cultural dos Professores/MG e da APPMG. Em 1998, foi agraciado com a medalha da “Ordem do Mérito Legislativo”, no grau Mérito Especial, pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Em 2000, recebeu de um colegiado que compõe o Fórum Mineiro de Jovens Lideranças Empresariais e o Conselho Empresarial de Jovens o “Prêmio Jovem Destaque Cultural 2000”. Em 2002, foi agraciado com a “Ordem do Mérito Legislativo Municipal”, no grau Mérito. Foi Membro da Câmara da Indústria da Cultura, da FIEMG e atuou no Itamaraty / Ministério das Relações Exteriores como Consultor Cultural. Em 2006, recebeu do Governo do Estado, a “Medalha da Inconfidência’. Em 2008, Prêmio Minas Desempenho Empresarial na categoria  “Excelência Empresarial / Institucional de Minas Gerais e do Governo do Estado e Prefeitura de Araxá, a “Medalha Calmon Barreto”. Em 2011, foi condecorado, em Recife, com a “Ordem do Mérito Cultural”, título concedido pelo Ministério da Cultura a personalidades, grupos artísticos, iniciativas e instituições que se destacaram pelas contribuições à cultura brasileira. Recebeu, em maio de 2017, o prêmio Bom Exemplo, da TV Globo, Fiemg, Fundação Dom Cabral e jornal O Tempo. Também em 2017, recebeu a Medalha da Inconfidência, concedida pelo Governo do Estado de Minas Gerais.