fbpx

Vladimir Safatle faz palestra e lança livro em SP

2 de março de 2019

 

Vladimir Safatle, autor do livro “O Circuito dos Afetos” é o convidado do “Sempre Um Papo” no dia 30 de abril, 3a-feira, às 19h30, no Sesc 24 de Maio, em São Paulo. Pensando no público da região central, ele propôs o tema “O que é ser ingovernável e a reinvenção da liberdade social”. Além disso, vai fazer o lançamento nacional de seu novo livro, “Dar corpo ao impossível – O sentido da dialética a partir de Theodor Adorno” (Ed. Autêntica).

 

O “Sempre um Papo” acontece há 13 anos em São Paulo graças à parceria com o Sesc SP, sempre com entrada gratuita ao público. Criado há 33 anos em Belo Horizonte pelo jornalista e empreendedor cultural Afonso Borges, o projeto já levou mais de 2,5 pessoas a teatros e auditórios para ouvir e conversar com escritores.

 

Em Dar corpo ao impossível, Vladimir Safatle parte de uma reflexão a respeito do sentido da última figura da dialética que o pensamento filosófico conheceu, a saber, a dialética negativa de Theodor Adorno. Ele recusa as interpretações deceptivas da dialética negativa, tão presentes até hoje, a fim de explorar suas dinâmicas de produtividade e as modificações que ela produz em conceitos como: totalidade, materialismo, sujeito, diferença e infinito. Isso leva Safatle a propor uma articulação de estrutura entre a dialética negativa e aquelas de matriz hegeliana e marxista. Articulação esta que procura compreender o sentido mais profundo das relações entre configurações da dialética e determinações históricas específicas. Trata-se ainda de se perguntar sobre o que a reatualização da dialética proposta por Adorno deve à psicanálise freudiana e à confrontação incessante à fenomenologia de Martin Heidegger. Ao final, Dar corpo ao impossível serve-se do saldo de tais reflexões para repensar a recusa da dialética que anima a filosofia francesa contemporânea, em especial através do anti-hegelianismo de Gilles Deleuze, assim como para retomar o uso que a dialética, enquanto experiência crítica, conheceu no Brasil, em especial graças a Paulo Arantes.

 

Vladimir Safatle nasceu em Santiago do Chile em 1973. Formado em filosofia pela Universidade de São Paulo, é mestre em filosofia pela mesma universidade, com dissertação sobre o conceito de sujeito descentrado em Jacques Lacan, sob a orientação de Bento Prado Júnior. Doutorou-se em filosofia pela Universidade de Paris vii com tese sobre as relações entre Lacan e a dialética, sob a orientação de Alain Badiou. Professor livre-docente do Departamento de Filosofia da fflch-usp, onde leciona desde 2003, foi professor convidado nas universidades de Paris vii, Paris viii, Toulouse, Louvain, além de fellow do Stellenboch Institute of Advanced Studies (stias) e responsável por seminários no Collège International de Philosophie. É um dos coordenadores do Laboratório de Pesquisas em Teoria Social, Filosofia e Psicanálise (Latesfip/usp), juntamente com Christian Dunker e Nelson da Silva Júnior, e membro do conselho diretivo da International Society of Psychoanalysis and Philosophy.

 

Com artigos traduzidos em inglês, francês, japonês, espanhol, sueco, catalão e alemão, suas publicações versam sobre psicanálise, teoria do reconhecimento, filosofia da música, filosofia francesa contemporânea e reflexão sobre a tradição dialética pós-hegeliana. Publicou Grande Hotel Abismo – para uma reconstrução da teoria do reconhecimento (Martins Fontes, 2012, versão em inglês publicada pela Leuven University Press, 2016), O dever e seus impasses (Martins Fontes, 2013), A esquerda que não teme dizer seu nome (Três Estrelas, 2012, versão em espanhol publicada pela lom Ediciones, 2014), Cinismo e falência da crítica (Boitempo, 2008), Lacan (Publifolha, 2007) e A paixão do negativo: Lacan e a dialética (Editora da Unesp, 2006, versão em francês publicado por Georg Olms Verlag, 2010).

 

Seus próximos trabalhos versarão sobre as condições para a elaboração de um conceito renovado de dialética fundado nas ideias de processualidade contínua e de ontologia em situação, assim como sobre a atualização da noção de forma crítica a partir da estética musical contemporânea e da reflexão sobre problemas relacionados ao destino das categorias de autonomia, expressão e sublime.

 

[fbcomments]