fbpx

Farenheit 451 e a combustão dos livros

28 de julho de 2009

Acesse o áudio!!!

“Só há duas coisas que devemos levar para cama: uma pessoa ou um livro”. Esta frase é do escritor de ficção-científica norte-americano Ray Bradbury. Um apaixonado por livros. Ele escreveu, em 1953, o livro “Farenheit, 451”, que virou filme nas mãos de François Truffaut, em 1966. Ele fala de um futuro onde o Governo proibiu a impressão e a leitura de livros. Um sociedade totalitária onde ler é crime, toda forma de escrita é coibida e os poucos exemplares que existem são queimados. O número 451 faz referência à temperatura de combustão dos livros.

Um policial que se interessa pela leitura, é denunciado e passa a ser perseguido. Ele foge para a “terrra dos homens-livros”, uma comunidade secreta que memoriza os livros, para publicá-los no futuro. A educação é transmitida apenas pela televisão e em telões espalhados pela cidade. Uma parábola que dá medo. Leiam, e assistam o atualíssimo “Farenheit 451”, de Ray Bradbury, uma história de ficção científica de amor aos livros.

[fbcomments]