fbpx

“Dicionário da República” terá lançamento coletivo com debate em BH

24 de outubro de 2019

 

Dia 15 de novembro a República Federativa do Brasil comemora 130 anos. O “Sempre um Papo” fará, em parceria com a Editora Companhia das Letras, o lançamento do livro “Dicionário da República – 51 Textos Críticos”, organizado por Lilia Moritz Schwarcz e Heloisa Starling.

 

Vão participar da mesa de debates a professora Heloisa Starling, Newton Bignotto, Júnia Furtado e Pauliane Braga. Além destes, os autores mineiros que integram a coletânea estarão autografando: Paula Lima, Gabriel Pancera, Helton Adverse, Marcela Telles e Bruno Viveiros.

 

Será no dia 12 de novembro, 3a-feira, 19h30, no Conservatório UFMG, à Avenida Afonso Pena. A entrada é franca e o jornalista Afonso Borges fará a mediação do evento.

 

Um volume denso e plural sobre o tema da república e do republicanismo, desde a antiguidade até as experiências republicanas mais localizadas e, particularmente, no Brasil. No marco dos 130 anos de sua proclamação no Brasil, persiste entre nós uma espécie de “mal-estar”, como se a República fosse um projeto fadado a nunca dar certo em uma sociedade de raiz escravista, colonial e autoritária, ainda tão desigual. Os 51 verbetes deste dicionário, escritos por especialistas em filosofia, história, ciência política, antropologia, direito, sociologia e jornalismo, buscam promover um resgate crítico dos valores de uma tradição hoje muito esvaziada de sentido e desfigurada pelo esquecimento. Cobrem desde as origens (grega e romana) e diferentes matrizes do republicanismo (francesa, inglesa, italiana, haitiana e norte-americana) até seus grandes princípios (liberdade, direitos, igualdade, cidadania, bem comum) e inimigos (o despotismo, a tirania, a corrupção, o patrimonialismo). Tratam, ainda, dos numerosos movimentos republicanos no Brasil (como Canudos e Sabinada) e de suas várias Constituições — sem descurar de temas atuais que têm reinventado novas repúblicas a partir de noções de gênero, raça, globalização, religião e mundo digital. Por fim, a farta iconografia do volume, longe de ser mero suporte aos textos, mostra como se deu historicamente a manipulação de símbolos e representações visuais para enraizar, sobretudo em nosso país, uma imaginação republicana.

 

LILIA MORITZ SCHWARCZ é professora titular na USP e Global Scholar em Princeton. É autora de uma série de livros como: Retrato em branco e negro (prêmio APCA), O espetáculos das raças (prêmio APCA), As Barbas do Imperador (prêmio Jabuti livro do ano), A Batalha do Avaí (prêmio ABL), O sol do Brasil (prêmio Jabuti), Brasil: Uma biografia (finalista prêmio Jabuti), Lima Barreto – Triste visionário (prêmio Biblioteca Nacional, prêmio ANPOCS, finalista prêmio Jabuti, prêmio APCA). No ano de 2019 lançou Sobre o autoritarismo brasileiro. É colunista do jornal nexo e curadora adjunta para histórias do MASP.

 

HELOISA MURGEL STARLING nasceu em 1956. Historiadora e cientista política, é professora titular da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É autora de, entre outros, Os senhores das gerais (1986), Lembranças do Brasil (1999), Brasil: Uma biografia (2015), com Lilia Moritz Schwarcz, República e democracia: Impasses do Brasil contemporâneo (2017) e Ser republicano no Brasil colônia (2018), vencedor do Prêmio Biblioteca Nacional.

[fbcomments]

Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0