fbpx

Pedro Bial e Mario Sergio Cortella e as gerações em ebulição

9 de setembro de 2018

“Gerações em ebulição: O passado do futuro e o futuro do passado” – este é o título-tema do livro e debate que vai reunir os autores Pedro Bial e Mario Sergio Cortella em uma edição especial do “Sempre um Papo” no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. O evento acontecerá no dia 26 de outubro, sexta-feira, às 18h30, com entrada franca. Inscrições antecipadas podem ser feitas no site do Museu: www.museudoamanha.org.br.

 

Vivemos dias velozes, em que parece não haver lugar para o passado, apenas para o futuro. Percebemos a juventude se aproximando e se apropriando de referências e comportamentos de gerações anteriores. Buscando entender esse fenômeno, a  Editora Papirus 7 Mares lança “Gerações em ebulição: O passado do futuro e o futuro do passado” (128 pp., R$ 34,90), fruto de um delicioso bate-papo, pontuado por referências históricas e culturais, entre o filósofo Mario Sergio Cortella e o apresentador Pedro Bial, que falam sobre juventude, ansiedade, ócio, rebeldia, militância política e empreendedorismo.

 

“Parece que nós perdemos alguma coisa em algum lugar ao dizer que ‘o futuro não é mais como era antigamente’”, afirma Cortella. “Vejo isso talvez como uma certa melancolia que é própria do caráter brasileiro”, complementa Bial. Por melancolia ou mesmo desilusão com o futuro, os jovens têm voltado seu olhar para trás, idealizando um passado que, talvez, não tenha sido como imaginam. “O objeto de desejo de quem tem 20 anos é retomar um tempo que nós, que estávamos com 20 anos naquele presente que ele deseja, não queríamos”, observa Cortella.

 

Para o filósofo, o problema é que falta à juventude, hoje, a ideia de uma causa.  “É uma juventude pós-fé, pós-ideia de vida eterna”, completa Bial. Os autores observam que se valoriza cada vez mais a instantaneidade, o aqui e agora, o que gera muita ansiedade. Mas “é no cotidiano que vamos nos resolvendo, e não no carpe diem”, ressalta o apresentador. Para Cortella, “a ausência dessa causa, portanto, a vivência do carpe diem como sendo uma eternidade, uma continuidade, um contínuo, um moto-perpétuo que renova a si mesmo, é produtora de melancolia”.

 

Nesse contexto, Bial percebe muitos jovens se envolvendo com militância política, mas por modismo, como se ela fosse uma rebeldia obrigatória da idade: “Estou vendo a garotada idealizar a militância política quando o exercício da política institucional é mais território de profissionais, seja de políticos, gestores de políticas públicas ou lobistas. Não vou julgar nem recriminar quem se engaja em causas que considera nobres, mas vejo, por exemplo, mais resultados transformadores sobre a realidade na atuação de jovens empreendedores, que geram riqueza e desafiam o Estado de maneira efetiva e radical – e também política!”.

 

Para o apresentador, é importante conservar o que funcionou, construir em cima do que já foi construído, e não destruir. “Se você não tem passado, não tem também vida futura”, pondera. No entanto, é preciso tomar cuidado com a mitificação do idoso, que é tão danosa quanto a mitificação do jovem. “Dizer: ‘Meu mundo era bom’, ou, com a ideia de que o mundo que vale é este que está sendo feito agora: ‘Esse passado, seu tempo, não presta’, isso é esquecer a história. E esse esquecimento da história faz mal para todos, sem exceção”, lembra Cortella. Portanto, não se deve desprezar a vivência das pessoas com mais idade, nem a capacidade de conteúdo dos mais jovens. “Para mim, um mundo aprazível é aquele em que uma geração não ofende a outra”, conclui o filósofo.

 

Gerações em ebulição: O passado do futuro e o futuro do passado é um livro que deve agradar tanto aos mais jovens quanto aos mais velhos de idade!

 

Sobre os autores:

Mario Sergio Cortella nasceu em Londrina (PR), em 1954. Filósofo e escritor, tem mestrado e doutorado em Educação pela PUC-SP, onde atuou como professor titular por 35 anos (1977-2012). É professor convidado da Fundação Dom Cabral (desde 1997) e lecionou na GVpec da FGV-SP (1998-2010). Foi secretário municipal de Educação de São Paulo (1991-1992), tendo antes sido assessor especial e chefe de gabinete do professor Paulo Freire. É autor de diversos livros nas áreas de educação, filosofia, teologia e motivação e carreira.

Pedro Bial nasceu no Rio de Janeiro, em 1958. É jornalista, escritor, cineasta, poeta e apresentador. Atua principalmente na televisão, sendo conhecido por ter apresentado os programas Fantástico, Big Brother Brasil e Na Moral. Atualmente conduz o talk-show Conversa com Bial, na Rede Globo de Televisão. É autor de vários livros.

Serviço: Sempre um papo com Pedro Bial e Mario Sergio Cortella
Dia 26 de outubro, sexta-feira, às 18h30, no Museu do Amanhã – Praça Mauá, 1 – Centro, Rio de Janeiro/RJ
Entrada franca.
Informações: www.sempreumpapo.com.br

Informações para a imprensa:
Jozane Faleiro
jozane@sempreumpapo.com.br – 31 35676714 / 992046367

[fbcomments]